terça-feira, 24 de setembro de 2013

Conhecendo nossa história

A Escola Municipal esteve realizando uma belíssima aula de campo/passeio sobre a História do Município de Felipe Guerra com alunos do 6º e 9º ano da Escola Municipal Prof. José do Patrocínio Barra. Junto com os professores João Paulo Barra, Gustavo Tavares, Jean Carlos, Valério de Góis e a diretora Cíntia Gurgel.
Valério de Góis, Gustavo Tavares, Cíntia Gurgel, João Paulo Barra e Jean Carlos
Iniciamos a aula na centenária Capela de São Pedro, construída no ano de 1903, na comunidade de Passagem Funda.
Os alunos também visitaram o bairro histórico da Cidade Baixa, onde conheceram o primeiro casarão do município, datado do ano de 1881 e construído pelo Tilon Gurgel do Amaral, que era filho do coronel Tibúrcio.

Na oportunidade, os alunos também puderam ver como é importante a preservação dos nosso Patrimônio Arquitetônico para podermos preservar a nossa própria História, que está retratada nos prédios antigos. O Mercado Público é um exemplo. Há anos vem se deteriorando e precisa urgentemente de uma transformação.
Alunos visitando o bairro histórico da Cidade Baixa, com seus casarões antigos e que contam uma parte da História de Felipe Guerra/Pedra de Abelha.
Outra visita foi à Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, que em 2018 também completará 100 anos de existência. Construída pelo Cel. Tibúrcio Valeriano Gurgel do Amaral, cumprindo um voto religioso na região.

Imagens/fonte da Rede Social do professor João Paulo Barra

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Reflexão

Em meio a palavras ofensivas que só servem para alimentar a maldade, inveja, cobiça, difamação...prefiro propagar o otimismo, a felicidade e o amor. As pessoas estão esquecendo cada vez mais que a vida é passageira, esquecem de viver e tratar o próximo como a si mesmo, parece que o sucesso do outro é o fracasso de si. Em meio a uma sociedade corrompida, só peço, ao meu Deus, sabedoria para seguir por uma trajetória de compaixão com meus irmãos, não apenas para apontar um bom caminho como seguir na mesma direção, até porque nada vai adiantar uma luz que não acende nem muito menos ilumina a escuridão. Quero chorar com os que choram, compartilhar os vários momentos que vida nos oferece, quero aprender com os meus erros, que são tantos. Meu lema não é mudar uma história apenas com um discurso, rogo a Deus para transformar o meu mundo com boas ações. Nós seres humanos precisamos urgentemente de uma reflexão das nossas atitudes, até porque se continuarmos a caminhar pelo escuro, saberemos que tudo será em vão. 

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Um pouco sobre Coesão Textual

Um texto apresenta coesão quando há conexão e harmonia entre as partes que o compõem. Consideramos como elementos de coesão as palavras ou expressões que estabelecem a transição de idéias, os elos para criar as relações entre frases e parágrafos – pronomes, advérbios e conjunções, como mas, portanto, dessa forma, porque, uma vez que, assim,embora, apesar de, entre outros.
Cada elemento de coesão mantém determinado tipo de relação e, por isso, é necessário atentar muito bem para o seu uso. Vejamos alguns exemplos:
“Os sem-terra fizeram um protesto em Brasília contra a política agrária do país, porque consideram injusta a atual distribuição de terras. Porém, o ministro da Agricultura considerou a manifestação um ato de rebeldia, uma vez que o projeto de Reforma Agrária pretende assentar milhares de sem-terra”
Nesse texto, os elementos de coesão foram utilizados de forma correta:
1- A palavra porque está iniciando a oração que estabelece a causa do protesto: “consideram injusta a atual distribuição de terra”.
2- A palavra porém está iniciando a oração que estabelece um contraste de idéias: protesto (para os sem-terra) X ato de rebeldia ( para o ministro).
3- A expressão uma vez que está iniciando a oração que estabelece a causa da indignação do ministro “o projeto da Reforma Agrária pretende assentar milhares de sem-terra”.
Quando se usa o elemento de coesão inadequado, o enunciado certamente fica prejudicado, pois pode não só mudar o sentido pretendido, mas também produzir idéias absurdas:
“Os sem-terra fizeram um protesto em Brasília contra a política agrária do país, porém consideram injusta a atual distribuição de terras”
Logo, para se obter um bom texto, não basta ter boas idéias. É preciso também ordená-las e cuidar da disposição das palavras nas frases, a fim de que a redação seja um conjunto harmonioso.



MECANISMOS DE COESÃO


Há vários elementos no idioma que permitem o mecanismo de coesão. Alguns deles, são:
1- Emprego adequado de tempos e modos verbais:
Ex: Embora não estivessem gostando muito, eles participavam da festa.
2- Emprego adequado de pronomes, conjunções, preposições, artigos:
Ex: O papa João Paulo II visitou o México. Na capital mexicana suaSantidade beijou o chão. As pessoas tinham a certeza de que o papa lhesguardava respeito e as amava.
3- Emprego adequado de construções por coordenação e subordinação:
Ex: “Amanhece. Poucos barulhos se ouvem. Logo mais a cidade vai ferver. Um carro aqui. Um ônibus. Duas motos. Alguém buzina duas vezes, depois três vezes, mais uma buzina insistente. A mocinha de uniforme grita pela janela que já vai. O pai na direção (deve ser um pai, porque está impaciente, de terno e gravata) tamborila os dedos na direção do carro, que não é carro do ano, logo se vê pelo ar meio baça da lataria...”
(Note que o texto foi inicialmente construído por um encadeado de orações coordenadas e depois, lentamente, foram sendo introduzidas as subordinadas.
4- Emprego adequado do discurso direto, indireto e indireto livre:
DD= “Maria Eugenia chegou cedo e perguntou:
- Paulinho já saiu?
Claudia respondeu:
- Ele ainda está dormindo”.
DI= “Maria Eugenia chegou cedo e perguntou se Paulinho já havia saído. Cláudia respondeu-lhe que ele ainda estava dormindo”.
5- Emprego adequado de vocabulário (coesão lexical):
Ex: “A China é um país fascinante, onde tudo é dimensionado em termos gigantescos. O país amarelo é uma civilização milenar. O grande dragão oriental abriga, na terceira maior extensão territorial planetária cerca de 01 bilhão e 100 mil habitantes”

FONTE: O Blog da Redação