quinta-feira, 14 de abril de 2016

O QUE É INDISCIPLINA? - por Celso Antunes


O QUE É INDISCIPLINA?

Se procurarmos o significado da palavra disciplina veremos que, em seu sentido etimológico, ele se associa à ideia de educar, instruir, aplicar e fundamentar princípios morais, e que seu antônimo – indisciplina – expressa desobediência, confusão ou negação da ordem. Examinando com mais profundidade, o sentido desse conceito avança para a ideia de que disciplina significa também ordem, firmeza, obediência às regras e, portanto, quando inexiste, torna-se necessária alguma sansão ou apreensão e, em casos mais graves, a culpa, o castigo ou a penitência.

Mas será isso mesmo? Será que essa reflexão etimológica simboliza efetivamente a indisciplina que enfrentamos? Não seria, por acaso, melhor ficarmos com um conceito mais amável? Afirmar, por exemplo, que disciplina é uma relação de afeto e respeito, uma ação recíproca de cumprimento de normas. Disciplina não poderia ser, portanto, aceitar que na sala de aula é essencial construir uma relação como a que envolve, por exemplo, uma partida de tênis, em que é essencial que se tenha parceiro e que essa parceria se fundamenta em regras que ambos devem cumprir? Professores e alunos não poderiam aceitar que a relação entre eles é de parceria e que acatá-la implica na aceitação de regras? Quando uma pessoa necessita de um professor partícula não busca alcançar objetivos comuns, cumprindo normas?

Caso se aceite que essa ideia conceitual é melhor que a primeira, cabe construí-la, e o início dessa construção se manifesta por meio de um acordo entre alunos e professores, algo como um “contrato”, no qual ambas as partes discutem e constroem seu papel e sabem como acatar sanções na eventualidade de um descumprimento. Mas, para que essa disciplina desejável possa ser construída, torna-se imperioso indagar qual disciplina estamos efetivamente buscando.

Essa resposta necessita passar por uma desconstrução da ideia geral, para a análise de situações específicas. Existe, por exemplo, uma disciplina em relação ao tempo; cumprir horários, acatar prazos, entregar tarefas nos momentos em comum estabelecidos, planejar o tempo para ações, discutir cronogramas. Se existe uma relação entre disciplina e tempo, também existe outra entre disciplina e espaço: respeitar lugares, saber guardar, retirar coisas e devolvê-las de onde se apanhou ou ocupar lugares definidos e os manter em ordem.

É também essencial que se analise a disciplina em relação ao outro: saber esperar a vez, respeitar a pergunta do colega, mostrar-se educado em relação às diferenças, compreender a individualidade, libertar-se de estereótipos. Uma disciplina que efetivamente se deseja construir avança também em sua relação com a aprendizagem: é necessário saber usar a memória, evoluir na expressão da linguagem, administrar estados de emoção, saber concentrar-se e diferenciar o descrever do analisar, o comparar do classificar, o deduzir do observar. Será que, muitas vezes, por não conhecer bem essas disciplinas, outras indisciplinas não se promovem? Tal como em todo jogo amigável, é essencial que, ao discutir as muitas disciplinas, definam-se as sanções – jamais culpas, castigos ou penitências – que toda quebra de regra contratual implica. Se a regra diz, por exemplo, que somente o goleiro pode colocar a mão na bola que está em jogo, sempre quando outro jogador faz uso das mãos, a falta emerge de forma natural, sem ressentimentos.

Quando os professores de uma unidade escolar sentam juntos e com seus alunos desmontam a ideia da culpa e do castigo e têm em mente reconstruir a plenitude da significação e dos tipos de disciplina, não apenas a aula corre mais facilmente e a aprendizagem se concretiza de maneira mais saborosa, como alunos e mestres descobrem que reconhecendo a disciplina como ferramenta essencial nas relações interpessoais, aprendem autonomia, exercitam a firmeza e ajudam seus alunos a construir seu caráter, com mais dignidade. Mas, a reflexão sobre o conceito de disciplina não se esgota na diferenciação de tipos de indisciplina e a importância de construir uma relação saudável entre alunos e professores, tal como deve ser saudável a relação entre árbitro e jogadores, que se necessitam reciprocamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário